sábado, 17 de outubro de 2009

Selinho na boca larálarálará

Residência, quinta-feira, 15-10
O dia começou com Rodrigo Rezende, o outro Rodrigo e Guido Nunes contando da experiência deles. Foi muito bom. Nõ sei porque eram pessoas da nossa idade ou porque, realmente, eram divertidos, mas eles souberam conversar. Tanta experiência em tão pouco tempo. Confesso que me bateu uma invejinha rsrsrsrs. Poxa, eles têm a minha idade. Aff. Isso que dá estudar em escola pública e perder o ano. Mas enfim, só tenho que agradecer por estar onde estou =D
Na parte da tarde foi um dos melhores dias. Fui acompanhar o maluco do Rafael Poto, com todo respeito, a fazer uma matéria sobre carros importados de luxo que foram apreendidos pelo ministério público. Digo que ele é maluco porque ficou cantando uma música do Latino. Acontece que ele só sabia uma parte e aquilo ficou na minha cabeça: selinho na boca laralaralará intimidade louca laralaralará... e por aí vai. Mas que matéria difícil. Precisava de um dicionário para traduzir tudo o que eles falavam. Então, fomos para o galpão ver os carros. Foi tanta alegria misturada a sofrimento momentâneo na minha pobre alma. Ai gente, quanto carro lindo tão perto e tão longe. Carros que só via em filmes. Estavam tão empoeirados que dava dó. Tive que deixá-los com uma dor no peito. O bom é que eles vão a leilão. Se eles parcelasse em 999 vezes com o primeiro pagamento daquei a dois anos, com certeza eu poderia pagar por um amarelo lindo que eu vi lá. Mas acho que eles não parcelam não...

Multimidialidade on more time

Residência, quarta-feira, 14-10
Wagner Barbosa abriu a discussão de hoje. Editor do Gazeta online falou de toda a sua experiência no jornal e no rádio e da implantação do jornalismo multimídia na Rede Gazete. Foi bem legal, embora ele tenha dito o que quase todos os outros palestrantes disseram. Já até posso dar palestra sobre a multimidialidade da Gazeta. Resumindo: CBN e Gazeta Online se juntaram primeiramente e depois veio o jornal, mas essa interação ainda nao acontece perfeitamente porque vários reporteres recebem a mesma pauta e não sabem o que fazer. Mas o que vale é a intenção rsrs.
Depois do almoço eu, Kati e Rodrigo Rezende fomos terminar de apurar a matéria do horário de verão. Primeiro fomos numa especialista do sono que também tem problemas para dormir no horário de verão. Achei super engraçado, mas fiquei na minha. Depois fomos falar com uma nutricionista sobre alimentação para o verão e para não tirar o sono. Ela tinha um jaleco rosa, tao bonitinho. E era tão simpática. Adorei as duas. O legal é que o Rodrigo até nos incentivou a perguntar algumas coisas as especialistas. Me senti A reporter rsrsrs Quando chegamos na redação fomos quebrar a cabeça para não escrever nada clichê. Foi difícil, mas acho que consegui dá uma "embromada" no texto. Bem, o jeito agora é esperar a coreção da Ana Laura.

O que você acha do horário de verão?

Residência, terça-feira, 13-10
Hoje teve palestra com Luciane Ventura, gerente de jornalismo Rádios e Internet. Adorei a palestra/conversa dela. Ela tem uma vasta experiência em todas as áreas do jornalismo. É daquelas pessoas em que a gente tem que grudar na primeira oportunidade que aparecer. Segundo Luciane, ela era daquelas meninas chatas que grudava nos repórteres e acompanava a reportagem mesmo se nao tivesse permissão pra isso. E foi com essa garra e essa cara-de-pau que ela conseguiu chegar onde ela está. Ela também passou um daqueles vídeos motivacionais (ao era bem isso, mas eu enendi assim e me sinto feliz com o meu entendimento) e só fez crescer a minha paixão pelo jornalismo online. Mas eu to tão empolgada com qualquer área que já nao faço ideia do que quero fazer. Só sei que não nasci para assessoria de imprensa, embora respeite muito o trabalho desses excelentes profissionais.
Bem, a tarde não teve nada demais. Fui para a rua apurar matéria sobre o horário de verão. Algo bem simples, sem mistérios. Uma daquelas matérias que saem todo ano e que o jornalista se desdobra para parecer algo muito interessante que faça as pessoas lerem. O legal é que hoje fui com o Rodrigo Rezende, um dos ganhadoes do prêmio capixaba de jornalismo. Uma pessoa com uma inteligência enorme e com muita boa vontade em responder a todas as perguntas que eu e Katilaine fizemos no percurso do dia. Mas hoje só foi a primeira parte da matéria. Ela continua amanhã com a entrevista de duas especialistas em sono e nutrição. Dia tranquilo.

Feriado para quem?

Residência, segunda-feira, 12-10-09
Parafraseando meu amigo Rick, feriado para quem?
AS nove horas da manhã, pontualmente, Cristina estava lá na Gazeta. Depois de ter tido um final de semana extremamente cansativo, eu estava lá na Residência para mais uma maratona de palestras e trabalhos. Eu, que tinha a ilusão d epoder descansar no final de semana e dar uma boa adiantada na minha monografia, fui surpeendida pela minha memórias as 16 horas de sábado, dia 10, de que na segunda feira seria o dia das crianças. Muita perdida no meu tempo e espaço, me lembrei também que tenho um afilhado de três anos que ficaria muito decepcionado se eu não levasse nem um pirulito. Então fui eu no sábado para a antiga Casa dos Brinquedos, em Laranjeiras. Vi o inferno de perto. Todas as crianças do mundo estavam dentro daquela loja e todas a mães estressadas do mundo também. E lá se foi o restinho do meu instinto materno. Isso que dá deixar tudo para a última hora.
Bem, continuando. Na segundade manha tivemos palestra com Renato Costa Neto, aquele apresentador do Conexão Geral e dito de Convergência de Mídias. Estava muito ansiosa por essa palestra porque poderia ajudar, e muito, no meu projeto de pesquisa sobre jornalismo no celular. Só que não foi do jeito que a gente esperava. Ela contou muitas coisas legais, entretanto, nem lhava pra gente. Falou olhando o tempo todo no notebook e aquilo me deuma afliçao. Foram quase três horas assim, ele falando só com o computador. Não gostei não. Mas enfim, valeu pela intenção.
Na parte da tarde, nada demais. Hoje eu não fui para as ruas. A redação estava super vazia por causa do feriado. Fiquei no Gazeta Online finalizando alguns textos e consegui chegar cedo em casa. As 19h há estava no meu lar doce lar pronta para mais quatro horas de estudo. Acho que to meio sem vida pós Gazeta.

sábado, 10 de outubro de 2009

Um lugar ao Sol ao lado do pilates

Residência, sexta-feira (09).
Aula de português com o professor José Augusto de Carvalho. Deu até para esquecer o cansaço e o fato de qu eue tenho que tomar café todos os dias mesmo nao gostando nem um pouco. Ele é ótimo. Falou umas palavras tão difíceis que me fez com que eu me sentisse uma jumenta. Sorte que tinha pessoas que se sentiam como eu. Talvez de vinte presentes, vinte compartilhavem do meu sofrimento intelectual. Quanta sabedoria e conhecimento têm naqueles cabelos brancos. Ressuscitou a minha vontade de ser gramática. Mas confesso que vou precisar de uma urgentemente. Ele, muito legal com todos e soliário a nossa pobreza, distribuiu muitas de suas obras.u, azarada no jogo, não ganhei nenhuma. Mas vou superar.
Depois fizemos umas fotos e um vídeo para pôr no site do Gazeta online. E já está lá www.gazetaonline.com.br/residencia Foi muito engraçado e deu para unir ainda mais a galera. Agora, estamos pensando naquele churrasco rsrsrs.
Depois do alomoço, como sempre, fomos para a redação. Hoje foi um dia de cobaia numa aula experimental de pilates. A Laila precisava de alguém estressado para fazer uma aula e falar se realmente resolve. Gente, que coisa relaxante. Adorei. Preciso, urgentemente, de dinheiro para fazer essas aulas. É melhor do que a Yoga. Dá uma vontade ficar lá o tempo todo, relaxando. Porém, alegria de pobre dura pouco. Voltamos para a redação multímida e fiz um texto sobre o pilates e tentei ajudar um pouco a Cibele e o Leonardo, colegas de residência, a fazerem o vídeo. Ajudei pouco porque não tinha como ficar muita gente fazendo a mesma coisa. O vídeo saiu, terminei meu texto e fui pra casa as oito e meia. Dormi pensando na falta que o pilates me faz.

Hoje tem pizza!

Residência, quinta-feira(08).
O dia começou feliz com Cláudia Feliz.
A repórter, com quase trinta anos de profissão, deu um show de conversa, ao falar com a gente sobre sua experiência no jornalismo. Confesso a vocês, nunca vi alguém tão apaixonada pela profissão. Seus olhos brilhavam quando ela falava de suas reportagens e entrevistas. Foram três horas de palestra com ela e com um repórter mais novo, o Maurílio, que fez uma excelente reportagem investigativa. Adorei tudo o que eles falaram. Pessoas incríveis e dignas de admiração. O mais engraçado é que ela foi promovida a editora contra sua vontade. Ela, que tinha o cargo tão almejado por tantos jornalistas, pediu para voltar para as ruas porque a vocação dela era ser repórter. Achei isso ilário!
À tarde não teve flanelinhas. Teve pizza! Acompanhei a Laila Magesk numa entrevista com uma nutricionista da UVV que ensina as crianças a comerem melhor. Ela estava ensinando os ingredentes saudáveis para se fazer uma pizza gostosa e que faz bem paa a saúde. Nem preciso dizer que me esbaldei comendo aquelas delícias. Foi um dia produtivo rsrsrsrs Depois que a Laila filmou tudo, voltamos para a redação. Ela me mostrou como edita vídeo, corta foto, como se usa o site e mais um monte de coisas que me fez ficar apaixonada. Isso porque eu ainda nao falei das pessoas que conheci lá. Quanta gente apaixonante, divertida e com um profissionalismo de dar inveja. Espero me juntar logo à equipe rs

Flanelinhas

Residência, quarta-feira (07).
Hoje o dia começou triste. Assim que cheguei na nossa sala descobri que um colega nosso, o PC, havia falecido. O clima estava pesado e ruim. Muitos da Ufes que lá estavam ficaram muito tristes e foram dispensados. Era o dia da palestra da Cintia Bento, editora do Dia a Dia do jornal A Gazeta. Bem, como o tempo nao para porque estamos tristes, a agenda seguiu como o planejado. Ela começou a ser metralhada por um monte de perguntas nossas e, mesmo tímida, respondeu a todas de uma forma muito simpática e educada, e dava para ver a bagagem de infomrações que ela tinha ao longo de tantos anos no jornalismo. Ficava pensando, será que algum dia chegarei a ter tanto conhecimento quanto ela? Espero que sim.
Bem, na parte da tarde fomos para as redações e, consequentemente, para as ruas \o/. Grudei na Letícia Gonçalves, repórter de rua do Gazeta Online/CBN. A pauta dela era sobre os flanelinhas da Cidade Alta. Fomos para lá. Eu, feliz da vida e com a maior cara de foca do mundo, pois tudo para mim era novidade, já tava feliz e saltitante só pelo fato de entrar no carro caracterizado. Mas confesso que estava com medo daquelas pessoas que sempre estão nos noticiários, na maior parte das vezes, de forma negativa. Me enganei.
Diferentemente da Praia do Canto, as pessoas que frequentam a Cidade Alta, no Centro de Vitória, têm muito respeito pelos flanelinhas. Ao menos foi o que percebi. Têm alguns guardadores que estão lá há mais de duas décadas e sustentaram suas famílias com esse dinheiro. Embora eu não acredite que eles ganhem somente um salário mínimo como eles disseram. Um fato engraçado foi quando eles erraram na matemática. Os flanelinhas do estacionamento rotativo ganham dinheiro com a venda de cartões para estacionamento temporário. Eles compram por R$1,50 e vendem por R$2,00. Ou seja, ganham R$0,50 por cada cartão vendido. Só que um deles me disse que vende 40 cartões ao dia e tira, com isso, 20 ou 30 reais por semana. 0O Ah, me polpe! Eles tiram vinte reais só por dia só com isso, fora com o estacionamento normal e com a lavagem de carros. Ri muito disso.
Depois a Letícia preparou um flash ao vivo para a CBN Notícias e, pela primeira vez, eu percebi a rapidez de um raciocínio de um repórter multimídia.
Chegamos na Redação e eu bombardeei o Rodrigo Rezende a a LEtícia com as minhas inúmeras perguntas. Eles, muito simpáticos, nao me responderam com toda a paciência do mundo. Não sei se eu teria tanta paciência qunato eles. Acho que sim, sei ser maternal de vez em quando rs. Saí de lá às 19h e da Gazeta às 20h. Nem preciso dizer que cheguei implorando por cama né? mas nao, ainda tive que estudar o projeto de pesquisa. Ossos do ofício.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Segundo dia de residente

Hoje já foi um pouquinho diferente. Nao teve brindes nem dinâmicas nem visita às instalações.
Na parte da manha tivemos uma reuniao com a Ana Laura, coordenadora do curso e editora do jornal A Gazeta nos fins de semana. ela nos explicou um pouco do que iremos encarar daqui para a frente e nos colocou na editoria que gostaríamos de trabalhar. Pedi para ficar no Gazeta online porque adoro sites e acredito que tenho muito a ganhar com essa experiência. Mas é só uma semana, depois iremos para outra editoria.
As panelinhas já começaram a serem formadas e eu, claro, já tenho as minhas. Tem a galera da minha sala que passou e têm as minhas veteranas (Kati, Tâmara, Luisa) que estao se tornando minhas companheiras de aventuras. Que meninas loucas e altamente divertidas! Realmente, estava precisando de um novo fôlego amiguês para me divertir. E nao é que encontrei!!! =D
Pois bem, mas como nem tudo sao flores tenho que admitir algo aqui: me sinto dentro de um seriado norteamericano. Grey`s anatomy é uma boa definiçao, mas na verdade é muito mais do que isso. Têm tanta gente querendo chamar a atençao para ser efetivado que realmente tá me dando medo. Tem até uma que a gente acha que é uma psicopata. Ela chega pra todo mundo e fala mal de todo mundo pra tentar se enturmar. MEDO! Tem outro lá que pergunta toda hora e se acha porque conhece todo mundo. Um saco! Enfim, aos poucos eles vao mostrando as asinhas, mas eu to esperta, embora esteja me fazendo de sonsa para viver.
Tivemos, a tarde, duas palestras iradas sobre os programas utilizados nas redações e sobre os arquivos e fontes de informação da AG. Teriam sido melhores se eu nao tivesse com tanto sono, mas valeu a pena. Achei uma mais nova melhor amiga: a garrafa de café! Cara, nao gosto do pretinho brasileiro, mas nao tem como ficar acordada sem ele. E Lá vem mais um vício para a minha vida, como se ja nao bastasse o chocolate.
Bem, amanha começo na redaçao e conto mais para quem quiser saber.

Residência a Gazeta

Oiii gente!
Vim aqui contar um pouco da minha experiência diária do curso de Residência jornalística que estou fazendo na Rede Gazeta. Bem, o curso começou ontem, dia 05. Depois de quase uma semana de confusao de formatura, que por sinal foi perfeita, mal consegui dormir de tanta ansiedade por saber que no outro dia começaria a minha nova vida de foca (para quem nao sabe foca é estagiário de jornalismo). Pontualíssima, cheguei as oito e meia de segunda feira e já tinha outros desesperados tao ansiosos quanto eu por começar uma mais nova agradácel rotina. Mas nem tudo saiu como eu pensava que sairia. A manha foi um pouco entediosa. Meu amigo e parceiro Fred ainda estava de ressaca por causa da festa de formatura e só isso já me estressou. Quem estava programado para dar a palestra nao pode ir e pediram ao nada mais, nada menos do que o ou um dos donos na Rede Gazeta para nos dar uma palstra sobre ética e jornalismo. Acontece que o Cariê tem quase oitenta anos e como todo bom velhinho fala muito devagar e quase me deu sono. A minha sorte é que ele adora contar umas piadas e disse uma frase que vou guardar para o resto da minha profissao: Jornalista tem que contar o que houve, nao o que ouve!
Lindo isso!
entretanto, o que me deixou tremendamente feliz foi o sorteio de brindes. Ganhei um livro escrito por ele chamado O Galinha e Elas e outro lá do Carlos Touriho que irei ler nas férias assim que chegar as férias (porque agora mal tenho vida social por causa da Residência, pesquisa e monografia), além de um crachá que me dá acesso a aquase tudo, camisa, pen drive, pasta e outras coisinhas que a-do-rei!
A tarde teve uma palestra com Helder Luciano (diretor de Recursos Humanos) e uma dessas din6amicas com o pessoal de RH que eu odeio fazer a fim de conhecermos uns aos outros. Depois disso, fomos visitar às instalações da Rede Gazeta. Dia simples, só pra enturmarmos mesmo.